Escuta Ativa: É possível construir adultos mais empáticos!

Escuta Ativa: É possível construir adultos mais empáticos!
Parece algo despretensioso, sem noção, mas que algumas pessoas usam isso com seus filhos e acreditam funcionar. Não passa de uma técnica denominada por Escuta Ativa que foi desenvolvida e estudada pelos psicólogos Carl Rogers e Richard E. Farson, que anos depois o, também psicólogo Thomas Gordon, escreveu um manual para aplica-lo: Parent Effectiveness training.
Umas das atividades que mais surte efeito sobre a personalidade das crianças quando em sua fase adulta seria o fato de conversar olhando a criança no mesmo nível de altura que ela, afirmam os pesquisadores. Essa postura, acreditam os teóricos, gera maior confiança e empatia (ato de se colocar no lugar do outro nas situações), além de fortalecer a auto estima da criança. O olhar de cima, falar em tom de voz ameaçador deixa a criança com grande possibilidade de desenvolver fobias sociais, auto estima baixa, timidez e arrogância em comportamentos na futura vida adulta.
Para alguns isso não deve ser uma técnica, mas uma postura diante da vida, de escutar as pessoas e nos colocarmos em seu lugar (empatia). Falar de adulto para adulto parece fácil apesar da sociedade em que vivemos não ser tão empática assim. Porém, com as crianças que não compreendem o mundo adulto ainda, onde a linguagem falada é a mais usada, essa parece ser uma técnica eficaz. Isso ganha mais força ainda tendo em vista que até os 12 anos de idade o mundo sensorial e perceptivo é diferente da vida adulta.
“O olhar é a prova mais evidente de que a pessoa está escutando, por isso é preciso se colocar à altura de seus olhos e assim a criança vai se sentir mais próxima dos pais, além de ajuda-la a empatizar com ela e mante-la mais calma”, afirma a teoria.
A busca insana por uma obediência sega nos afasta dos verdadeiros sentimentos das crianças. Os pais não buscam esse olhar-escutar e nunca vão entender o por que seu filho não quis ir à escola ou esbravejou para não ir embora da festa de aniversário do colega.
 
Se uma criança mostra um comportamento que não condiz com o que os pais esperam é porque muitas vezes ela quer se comunicar e essa comunicação nunca fora travada entre ela e os pais, jamais foi possibilitado o diálogo.
Uma criança com 4 a 5 anos não compreende ainda as leis da responsabilidade e talvez faça alguns comportamentos respeitosos mediante ameaça e medo, o que pode deixar sequelas psicológicas danosas de personalidade. Não entenderá as regras, apenas as seguirá por uma voz imposta de cima para baixo, não buscará soluções por si mesma, pois ficará ancorada no medo e nas ordens que poderia ter sido melhor trabalhado em uma Escuta Ativa.
                A Escuta Ativa é uma técnica que parece ser muito boa e usada por vários pais no mundo inteiro. O caso mais conhecido de comportamento paterno usando esta técnica vem da família real Inglesa. Várias pessoas já se perguntaram porque o príncipe Willian se agacha sempre que vai ter uma conversa com seu filho. Existe um propósito neste comportamento, a saúde mental e comportamental do filho dele está em jogo.  É embasado nesta teoria que ele age desta maneira, acredita funcionar.
                Como foi dito, esta é uma técnica que alguns acreditam funcionar muito bem, porém é óbvio que há diversos fatores (sociais, econômicos e psicológicos) que rodeiam o comportamento futuro de uma criança, não podendo assim ser atribuído total responsabilidade de formação da personalidade à determinadas atitudes da técnica da Escuta Ativa. Esta técnica poderá ajudar, em conjunto com outros fatores nesta busca por um filho psicologicamente mais saudável diante da sociedade atual.

Príncipe Willian e seu filho


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *